<[HEADING] class="logo-text">O crédito direito ao assunto
MENU
Ver Mais

Crédito Pessoal Formação: Para um financiamento de 8.000€, com a TAEG de 6,2% e TAN de 4,10% o prazo de reembolso é de 36 meses ao que corresponde uma mensalidade fixa de 237,14€. MTIC: 8.748,24€ dos quais 8.000€ reembolsam o capital concedido e 748,24€ respeitam ao custo total do crédito. Crédito sujeito a aprovação de Instituições Bancárias e Financeiras a operar legalmente em Portugal (ver lista).

Crédito Consolidado: para um financiamento de 20.000€, com a TAEG de 13,1% e TAN de 11,10% o prazo de reembolso é de 84 meses ao que corresponde uma mensalidade fixa de 348,20€. Montante total imputado ao consumidor: 29,776,80€ dos quais 20.000,00€ reembolsam o capital concedido e 9.776,80€ respeitam ao custo total do crédito. Crédito sujeito a aprovação de Instituições Bancárias e Financeiras a operar legalmente em Portugal (ver lista).

Taxa Máxima Anual Aplicável 15,6%. Prazo mínimo de reembolso 12 meses e máximo de 84 meses.

Testemunho
CLAUDIA SANTANA

O total dos meus créditos rondavam os 24.000€ e estava a pagar 865€ por mês. Após juntar todos os meus créditos, sem fiadores, passei a ter uma só mensalidade de apenas 315€/Mês.

Redução de 64% nas prestações. TAN 9,500% e TAEG 11,712%.

Testemunho
SOFIA E NUNO CAMPOS

Devíamos 19.000€ e tínhamos de pagar 677€/Mês. Depois da consolidação de créditos, sem incluir o crédito da casa, ficámos com uma mensalidade de 249€. Poupamos mais de 400€/Mês.

Redução de 63% nas prestações. TAN 9,500% e TAEG 12,024%.

Testemunho
MANUEL HENRIQUES

Queria fazer outro crédito de 5.000€ mas com a casa devia 130.000€ e pagava 2.097€/Mês. Segui a sugestão e fiz um crédito consolidado. Reduzi as prestações para 745€/Mês e já com os 5.000€ na conta.

Redução de 64% nas prestações. TAN 2,455% e TAER: 3,231%.

Testemunho
JOÃO SILVA

Fiz um pedido de 4.500€. Foram apresentadas várias propostas. Optei pagar o meu crédito em 72 vezes por 78,72€/Mês. Com esta prestação baixa vou juntar dinheiro para pagar antes, sem custos adicionais.

TAEG: 5,5% TAN: 4,70% MTIC: 5.268,78€.

O empréstimo pode ser uma opção para livrar-se de dívidas?

Muitos se perguntam se vale a pena solicitar um empréstimo para pagar as dívidas. Afinal, não estaria assim a contrair mais um crédito?

Saiba que, em algumas situações, é vantajoso sim contratar um empréstimo para liquidar as dívidas.

Para identificar estas situações, é preciso considerar alguns pontos importantes, que passamos a explicar no artigo de seguida.

Empréstimo: Quando deve considerar fazê-lo para liquidar as dívidas

O medo e a desinformação sobre o funcionamento dos empréstimos podem levar uma pessoa endividada a fazer escolhas não muito inteligentes, quando as contas não acabam.

Quando se tem muitas dívidas, o sentimento de desespero pode resultar em ações precipitadas, como desfazer-se de bens para conseguir dinheiro.

Contudo, nem sempre é preciso adotar atitudes extremas. Solicitar um empréstimo pode resolver boa parte dos problemas, desde que a contratação seja feita de forma consciente.

Neste sentido, explicamos quatro pontos que deve avaliar para decidir se vale a pena um empréstimo ou não para liquidar as dívidas.

1 – Juros das dívidas vs. Juros do empréstimo

Ao considerar um empréstimo para liquidar as dívidas, deve observar quais são as taxas de juro do crédito solicitado.

Faça uma comparação com os juros dos débitos que pretende pagar e perceba qual possui as menores taxas.

Se possui dívidas de cartão de crédito, em que os juros são consideravelmente elevados, é quase certo que encontre um crédito com encargos menores.

2 – Ter o nome na lista negra

Ter o nome na lista negra do Banco de Portugal impede o acesso a crédito ou financiamentos numa série de instituições financeiras.

Portanto, se deseja regularizar a situação, de modo a ter liberdade de financiar um veículo ou uma casa, peça um crédito e pague as dívidas que estão em atraso.  

Isso é importante caso tenha a oportunidade ou necessidade de adquirir bens que vão melhorar a qualidade de vida da família, como no caso do financiamento de imóveis e de veículos.

3 – Descontos ao liquidar as dívidas

Se existir a chance de receber descontos ao liquidar uma dívida, ou mesmo antecipar o pagamento, é interessante aproveitar a oportunidade.

Ou seja, se o credor para o qual possui um débito oferece abatimento no valor da dívida, é interessante contratar um empréstimo para o pagamento.

Contudo, é sempre importante ressaltar que deve antes avaliar quais são os juros do empréstimo.

Dessa forma, não corre o risco de adquirir um crédito para pagar a dívida com desconto e, no fim, ele sair mais caro do que a própria dívida.

4 – Tempo de endividamento

O empréstimo também ajuda na redução do tempo de endividamento. Se tem uma dívida que possui muitas prestações, o crédito é uma forma de adiantar estes pagamentos e, com isso, reduzir a sua relação com aquela dívida.

Por exemplo, se a dívida possui prestações que vão durar 30 meses, com o empréstimo consegue liquidar a dívida em 12 meses.

Ao mesmo tempo, é importante perceber em quanto tempo estará a pagar o empréstimo.

Seguindo o mesmo exemplo, se conseguir liquidar tudo em 12 meses, então conseguirá reduzir o tempo em relação à dívida original de 30 meses.

Como pode perceber, existem algumas condições em que vale a pena contratar um empréstimo para pagar as dívidas.

Mas, como em qualquer ocasião em que se solicita um crédito, as recomendações de simulação e comparação de propostas também são muito importantes.

Se está com dificuldades financeiras devido a endividamento, considere solicitar um empréstimo para retomar o controlo da vida financeira.

Perguntas Frequentes

Todas as respostas às suas dúvidas sobre o crédito Credistar.

Sejá nosso parceiro

Aumente as suas vendas. Torne-se um parceiro Credistar.

Contactos Credistar

Contacte a equipa Credistar para esclarecimento de qualquer questão.

Testemunho
CLAUDIA SANTANA

O total dos meus créditos rondavam os 24.000€ e estava a pagar 865€ por mês. Após juntar todos os meus créditos, sem fiadores, passei a ter uma só mensalidade de apenas 315€/Mês.

Redução de 64% nas prestações. TAN 9,500% e TAEG 11,712%.

Testemunho
SOFIA E NUNO CAMPOS

Devíamos 19.000€ e tínhamos de pagar 677€/Mês. Depois da consolidação de créditos, sem incluir o crédito da casa, ficámos com uma mensalidade de 249€. Poupamos mais de 400€/Mês.

Redução de 63% nas prestações. TAN 9,500% e TAEG 12,024%.

Testemunho
MANUEL HENRIQUES

Queria fazer outro crédito de 5.000€ mas com a casa devia 130.000€ e pagava 2.097€/Mês. Segui a sugestão e fiz um crédito consolidado. Reduzi as prestações para 745€/Mês e já com os 5.000€ na conta.

Redução de 64% nas prestações. TAN 2,455% e TAER: 3,231%.

Testemunho
JOÃO SILVA

Fiz um pedido de 4.500€. Foram apresentadas várias propostas. Optei pagar o meu crédito em 72 vezes por 78,72€/Mês. Com esta prestação baixa vou juntar dinheiro para pagar antes, sem custos adicionais.

TAEG: 5,5% TAN: 4,70% MTIC: 5.268,78€.

Contraste
Fontes legíveis
Este site usa cookies, poderá consultar toda a informação na nossa página de Política de Privacidade. Reconheço e aceito que ao continuar a utilizar este site, dou o meu consentimento à utilização dos cookies deste site. Para mais informações sobre os cookies que utilizamos, como os gerimos e/ou apagamos, por favor consulte a nossa Política de Privacidade.