<[HEADING] class="logo-text">O crédito direito ao assunto
MENU
Ver Mais

​Crédito Pessoal Formação com TAEG a partir de 5,5% para TAN de 3,90%, consoante o prazo escolhido, Taxa Fixa, Prazo entre 24 a 120 meses. Montante a financiar entre 2.500€ a 75.000€. Crédito sujeito a aprovação de Instituições Bancárias e Financeiras a operar legalmente em Portugal (ver lista). Prazo mínimo de 12 meses e máximo de 120 meses. TAEG a partir de 5,5% até ao máximo de 14.6%.

Crédito Consolidado sem garantia hipotecária com TAEG a partir de 11,70%, TAN a partir de 9,50%, Taxa Fixa, Prazo entre 12 a 120 meses. Montante a financiar entre 5.000€ a 75.000€. Crédito sujeito a aprovação de Instituições Bancárias e Financeiras legalmente a operar em Portugal. Prazo mínimo de reembolso de 24 Meses e Máximo de 120 meses. TAEG a partir de 2,445% até ao máximo de 14,2%.

Testemunho
CLAUDIA SANTANA

O total dos meus créditos rondavam os 24.000€ e estava a pagar 865€ por mês. Após juntar todos os meus créditos, sem fiadores, passei a ter uma só mensalidade de apenas 315€/Mês.

Redução de 64% nas prestações. TAN 9,500% e TAEG 11,712%.

Testemunho
SOFIA E NUNO CAMPOS

Devíamos 19.000€ e tínhamos de pagar 677€/Mês. Depois da consolidação de créditos, sem incluir o crédito da casa, ficámos com uma mensalidade de 249€. Poupamos mais de 400€/Mês.

Redução de 63% nas prestações. TAN 9,500% e TAEG 12,024%.

Testemunho
MANUEL HENRIQUES

Queria fazer outro crédito de 5.000€ mas com a casa devia 130.000€ e pagava 2.097€/Mês. Segui a sugestão e fiz um crédito consolidado. Reduzi as prestações para 745€/Mês e já com os 5.000€ na conta.

Redução de 64% nas prestações. TAN 2,455% e TAER: 3,231%.

Testemunho
JOÃO SILVA

Fiz um pedido de 4.500€. Foram apresentadas várias propostas. Optei pagar o meu crédito em 72 vezes por 78,72€/Mês. Com esta prestação baixa vou juntar dinheiro para pagar antes, sem custos adicionais.

TAEG: 5,5% TAN: 4,70% MTIC: 5.268,78€.

Erros a evitar se quer comprar casa

Comprar casa é um passo extremamente importante na vida de qualquer pessoa, por isso, antes de dar este passo existem várias considerações a ter em mente.

Além de encontrar a casa ideal, é também necessário encontrar o crédito certo que se ajuste às suas verdadeiras necessidades.

Posto isto, iremos dar-lhe algumas dicas que deve ter em conta quando for comprar a sua nova casa, mas também quando estiver a analisar as alternativas de crédito existentes.

Comprar casa: 7 erros a ter em conta e como os evitar

Comprar casa não é a mesma coisa que comprar um carro novo ou um smartphone.

É uma decisão que implica um esforço financeiro para praticamente toda a vida (sim, porque a maior parte dos créditos são concedidos a 40 anos).

Desta forma, existem alguns erros que deve evitar cometer a todo o custo, pois podem colocar em casa a sua estabilidade financeira e fazê-lo comprar algo que não é exatamente o que quer ou que necessita.

1 – Pensar a curto prazo

Comprar casa com recurso a um crédito habitação, significa que tem de ser bastante regrado com as suas finanças, uma vez que irá ficar a pagar a prestação pelo menos por 30 anos (na maio parte dos casos são 40 anos).

Assim sendo, deve analisar todas as informações, comparar ao máximo as taxas de juro e fazer as contas tendo em conta a oscilação do mercado (pois a taxa EURIBOR vai subir ao longo dos próximos anos).

É muito importante que quando estiver a fazer simulações perceba qual será o valor da prestação mensal caso as taxas interbancárias aumentem 1% ou 2%, de forma a não ser apanhado desprevenido.

Aliás, esta informação deverá obrigatoriamente constar na segunda parte da FIN (Ficha de Informação Normalizada). Tenha em conta que esta oscilação pode fazer com que o crédito tenha um aumento bastante considerável.

2 – Não fazer todas as contas ao que irá ter de pagar

Um dos erros mais comuns de quem vai comprar casa é não fazer todas as contas aos gastos que vai ter.

Por exemplo, quando arrenda uma casa apenas tem de proceder ao pagamento da renda (não contabilizando obviamente o valor das despesas fixas).

Contudo, ao comprar casa tem muitos outros custos associados, como é o caso do IMI, IMT, seguro de vida, seguro multirriscos, condomínio, despesas de manutenção…

Todos estes custos devem ser considerados de forma a que não tenha uma surpresa negativa.

3 – Escolher uma casa extremamente cara

Embora possa ter rendimentos que lhe permitam comprar uma casa de 150.000€ ou 200.000€, isso não significa que deva comprar uma casa desse mesmo valor.

Compre uma casa que tenha a garantia que irá conseguir sustentar, e aposte na segurança de saber que, mesmo que uma crise se abata sobre a sua família, poderá continuar a viver na casa que escolheu.

4 – Não planear a aquisição

É muito simples chegar a um banco e dizer que quer comprar casa. Contudo, antes de o fazer, existem diversas questões que tem de ter em conta, de forma a não cometer erros.

Acredite que é muito simples dar início a um processo de compra e desistir a meio porque percebe que não tem realmente forma de comprar aquela casa.

No entanto, uma das questões importantes que deve ter em conta é perceber qual a sua taxa de esforço (ou seja, o peso dos créditos no seu orçamento mensal).

De acordo com a DECO o mesmo deve ser inferior a 30% de forma a que consiga manter uma estabilidade financeira, e chegar ao final do mês com dinheiro.

Assim sendo, se tem outros empréstimos que ainda estejam em fase de liquidação, tente saldar a maior parte dessas obrigações financeiras antes de pedir o crédito à habitação.

Enquanto isso, aproveite para poupar dinheiro para dar de entrada para o empréstimo, acredite que fará toda a diferença na hora de pedir o crédito ao banco.

5 – Apostar apenas em imobiliárias online

Todos sabemos que a internet é sem qualquer sombra de dúvida uma ferramenta extremamente útil quando se trata de procurar casa para comprar (ou mesmo para alugar).

Contudo, é importante que não delimite a sua procura através desta via. Na maioria dos casos, é bastante mais rentável trabalhar com um agente imobiliário, pois este poderá dar-lhe uma noção exata de como está o mercado, mas também poderá ajudá-lo a procurar a melhor casa de acordo com os seus parâmetros e necessidades.

6 – Não tentar negociar o preço

A verdade é que a crise que assolou Portugal, permitiu aos contribuintes uma margem de manobra superior quando se trata de comprar casa.

Embora o preço do mercado imobiliário esteja a aumentar – de acordo com dados do INE, no terceiro trimestre de 2016, o índice de preços da habitação aumentou 4,9% comparativamente com o período homólogo (isto fora da zona da grande Lisboa) – continua a haver bastante oferta.

Assim sendo, tente sempre negociar com o vendedor o valor do imóvel, de forma a obter um preço que seja satisfatório para ambos.

Contudo, lembre-se de fazer uma negociação razoável de forma a poder efetivamente negociar o valor do imóvel, e conseguir comprá-lo por um preço mais baixo do que aquele que está a ser solicitado.

7 – Não visitar o imóvel

A verdade é que as fotografias de um imóvel podem ser bastante enganadoras. Assim sendo, se vai comprar casa é importante que antes mesmo de tomar qualquer decisão, verifique se a casa é realmente aquilo que viu em fotografias.

Peça para ver o imóvel, e demore o tempo necessário até ver ao pormenor tudo o que precisa. Apenas desta forma pode tomar uma decisão ponderada.

Uma questão que deve também ter em mente é que depois de analisar todas as opções para comprar casa, vai provavelmente precisar de um crédito habitação.

Se esse for o caso, depois de analisar e de perceber qual a instituição bancária que irá realizar o financiamento da sua casa nova, é necessário que envie diversos documentos de forma a que os mesmos possam ser analisados.

Assim sendo, comece já a reunir os mesmos.

·        Documento de identificação pessoal: BI e NIF ou Cartão de Cidadão;

·        Fotocópia dos últimos três 3 recibos de vencimento

·        Fotocópia dos últimos três extratos bancários

·        Fotocópia da última declaração de IRS e Nota de Liquidação

·        Declaração da entidade patronal a comprovar vínculo contratual e antiguidade na empresa;

·        Fotocópia da Certidão de Teor (também designada por Certidão Permanente de Registo Predial)

·        Caderneta Predial

·        Ficha Técnica da Habitação

·        Licença de Utilização

·        Certificado de Desempenho Energético e da Qualidade do Ar Interior;

É importante salientar que de acordo com o perfil do consumidor podem ainda ser solicitados mais alguns documentos, nomeadamente:

·        Para os trabalhadores por Conta Própria ou Independentes: Escritura de constituição de Sociedade ou Início de Atividade;

·        Três últimos comprovativos das responsabilidades de crédito que constam do Mapa de Responsabilidades do Banco de Portugal;

·        Para quem está divorciado: Sentença Judicial de Divórcio e Acordo sobre o Exercício do Poder Paternal;

·        Comprovativos de aplicação de capitais próprios;

·        Comprovativos de outros rendimentos, se for o caso.

Depois de reunir os mesmos, está na hora de os enviar para o banco de forma a que seja dado início ao processo para comprar casa.

Como vê, existem erros que podem realmente colocar em perigo a sua estabilidade, mas também a escolha do imóvel ideal.

Evite estes erros e torne o processo de comprar casa em algo mais simples do que aquilo que efetivamente parece. Lembre-se que está a escolher o local onde irá criar a sua família.

Perguntas Frequentes

Todas as respostas às suas dúvidas sobre o crédito Credistar.

Sejá nosso parceiro

Aumente as suas vendas. Torne-se um parceiro Credistar.

Contactos Credistar

Contacte a equipa Credistar para esclarecimento de qualquer questão.

Testemunho
CLAUDIA SANTANA

O total dos meus créditos rondavam os 24.000€ e estava a pagar 865€ por mês. Após juntar todos os meus créditos, sem fiadores, passei a ter uma só mensalidade de apenas 315€/Mês.

Redução de 64% nas prestações. TAN 9,500% e TAEG 11,712%.

Testemunho
SOFIA E NUNO CAMPOS

Devíamos 19.000€ e tínhamos de pagar 677€/Mês. Depois da consolidação de créditos, sem incluir o crédito da casa, ficámos com uma mensalidade de 249€. Poupamos mais de 400€/Mês.

Redução de 63% nas prestações. TAN 9,500% e TAEG 12,024%.

Testemunho
MANUEL HENRIQUES

Queria fazer outro crédito de 5.000€ mas com a casa devia 130.000€ e pagava 2.097€/Mês. Segui a sugestão e fiz um crédito consolidado. Reduzi as prestações para 745€/Mês e já com os 5.000€ na conta.

Redução de 64% nas prestações. TAN 2,455% e TAER: 3,231%.

Testemunho
JOÃO SILVA

Fiz um pedido de 4.500€. Foram apresentadas várias propostas. Optei pagar o meu crédito em 72 vezes por 78,72€/Mês. Com esta prestação baixa vou juntar dinheiro para pagar antes, sem custos adicionais.

TAEG: 5,5% TAN: 4,70% MTIC: 5.268,78€.

Este site usa cookies, poderá consultar toda a informação na nossa página de Política de Privacidade. Reconheço e aceito que ao continuar a utilizar este site, dou o meu consentimento à utilização dos cookies deste site. Para mais informações sobre os cookies que utilizamos, como os gerimos e/ou apagamos, por favor consulte a nossa Política de Privacidade.