<[HEADING] class="logo-text">O crédito direito ao assunto
MENU
Ver Mais

Crédito Pessoal Formação: Para um financiamento de 8.000€, com a TAEG de 6,2% e TAN de 4,10% o prazo de reembolso é de 36 meses ao que corresponde uma mensalidade fixa de 237,14€. MTIC: 8.748,24€ dos quais 8.000€ reembolsam o capital concedido e 748,24€ respeitam ao custo total do crédito. Crédito sujeito a aprovação de Instituições Bancárias e Financeiras a operar legalmente em Portugal (ver lista).

Crédito Consolidado: para um financiamento de 20.000€, com a TAEG de 13,1% e TAN de 11,10% o prazo de reembolso é de 84 meses ao que corresponde uma mensalidade fixa de 348,20€. Montante total imputado ao consumidor: 29,776,80€ dos quais 20.000,00€ reembolsam o capital concedido e 9.776,80€ respeitam ao custo total do crédito. Crédito sujeito a aprovação de Instituições Bancárias e Financeiras a operar legalmente em Portugal (ver lista).

Taxa Máxima Anual Aplicável 15,6%. Prazo mínimo de reembolso 12 meses e máximo de 84 meses.

Testemunho
CLAUDIA SANTANA

O total dos meus créditos rondavam os 24.000€ e estava a pagar 865€ por mês. Após juntar todos os meus créditos, sem fiadores, passei a ter uma só mensalidade de apenas 315€/Mês.

Redução de 64% nas prestações. TAN 9,500% e TAEG 11,712%.

Testemunho
SOFIA E NUNO CAMPOS

Devíamos 19.000€ e tínhamos de pagar 677€/Mês. Depois da consolidação de créditos, sem incluir o crédito da casa, ficámos com uma mensalidade de 249€. Poupamos mais de 400€/Mês.

Redução de 63% nas prestações. TAN 9,500% e TAEG 12,024%.

Testemunho
MANUEL HENRIQUES

Queria fazer outro crédito de 5.000€ mas com a casa devia 130.000€ e pagava 2.097€/Mês. Segui a sugestão e fiz um crédito consolidado. Reduzi as prestações para 745€/Mês e já com os 5.000€ na conta.

Redução de 64% nas prestações. TAN 2,455% e TAER: 3,231%.

Testemunho
JOÃO SILVA

Fiz um pedido de 4.500€. Foram apresentadas várias propostas. Optei pagar o meu crédito em 72 vezes por 78,72€/Mês. Com esta prestação baixa vou juntar dinheiro para pagar antes, sem custos adicionais.

TAEG: 5,5% TAN: 4,70% MTIC: 5.268,78€.

Como funcionam os planos de poupança bancários?

Guardar dinheiro é a regra de ouro para um bom planeamento financeiro. Neste sentido, os planos de poupança bancários são excelentes alternativas para aqueles que querem fazer uma poupança e ao mesmo tempo dar rentabilidade ao dinheiro.

Apesar de cada entidade financeira disponibilizar um produto específico, podemos encontrar, basicamente, duas modalidades: os depósitos a prazo e as contas poupança.

De seguida, explicamos como funcionam cada um destes produtos para que possa decidir qual deles é o mais vantajoso para si.

Planos de poupança bancários: Conheça as principais características e vantagens

Atualmente, os investimentos realizados com o apoio de corretoras tornaram-se bastante populares. Ainda assim, há um significativo grupo de pessoas que prefere poupar e dar rendibilidade ao dinheiro num investimento com menor risco.

Por isso, os planos de poupança bancários ainda são bastante populares, e recomendados para quem possui um perfil mais conservador, uma vez que os produtos têm baixo risco.

De seguida, explicamos como funcionam e quais são as principais características destes produtos.

Depósitos a prazo

Os depósitos a prazo funcionam através da aplicação de um determinado valor. Esse valor será restituído pela entidade bancária após um prazo acordado, acrescido de juros que serão criados durante este mesmo período.

Basicamente, é como se o cliente concedesse um empréstimo ao banco. A esse dinheiro será aplicada uma taxa de juros, dando-lhe rentabilidade pelo prazo em que será aplicado.

Passado o período do contrato de depósito, o banco deverá restituí-lo do montante, acrescido do juro aplicado neste tempo.

Assim, podemos dizer que o depósito a prazo é composto por três fatores, o valor depositado, o prazo e a taxa de juro aplicada.

Contas Poupança

O funcionamento das contas poupança é bem simples, como um tipo de mealheiro.

Ou seja, o dinheiro vai rendendo com o reforço de capital que pode injetar. Ou então com os juros que vão incidir sobre este capital pelo período em que o dinheiro é aplicado na conta.

Portanto, não está simplesmente a guardar dinheiro, mas também a fazê-lo render. Para aqueles que desejam colocar em prática novos hábitos financeiros, iniciar uma poupança certamente é a melhor alternativa.

O dinheiro investido poderá ser utilizado como um fundo de emergência para uma ocasião inesperada, ou até mesmo para iniciar um projeto a médio e longo prazo.

Qual destes planos de poupança é mais vantajoso?

Para aqueles que pensam em acumular dinheiro a longo prazo, as contas poupança são as mais recomendadas. Nestes produtos, as taxas de juro são mais apelativas, além de ser possível acrescentar dinheiro regularmente.

Apesar disso, é importante ter em conta que na conta poupança não é possível realizar a mobilização antecipada do dinheiro.

Por outro lado, essa questão não é um problema nos depósitos a prazo. É possível encontrar opções que permitam a mobilização total ou parcial do dinheiro antes do fim do prazo, ainda que para isso sacrifique os juros corridos.

Além disso, os depósitos a prazo têm outro ponto positivo, que é a possibilidade de iniciar uma conta com pouco dinheiro e com contratos de períodos curtos, como três meses.

A única ressalva a fazer em relação aos depósitos a prazo é que o produto requer um acompanhamento mais cuidadoso por parte do titular. E também exige algum conhecimento sobre a evolução da Euribor e sobre as taxas de juro.

Como pode perceber, cada um dos planos de poupança bancários possuem vantagens e desvantagens. É preciso considerar os seus objetivos, o valor que pretende acumular, bem como o período da poupança.

Perguntas Frequentes

Todas as respostas às suas dúvidas sobre o crédito Credistar.

Sejá nosso parceiro

Aumente as suas vendas. Torne-se um parceiro Credistar.

Contactos Credistar

Contacte a equipa Credistar para esclarecimento de qualquer questão.

Testemunho
CLAUDIA SANTANA

O total dos meus créditos rondavam os 24.000€ e estava a pagar 865€ por mês. Após juntar todos os meus créditos, sem fiadores, passei a ter uma só mensalidade de apenas 315€/Mês.

Redução de 64% nas prestações. TAN 9,500% e TAEG 11,712%.

Testemunho
SOFIA E NUNO CAMPOS

Devíamos 19.000€ e tínhamos de pagar 677€/Mês. Depois da consolidação de créditos, sem incluir o crédito da casa, ficámos com uma mensalidade de 249€. Poupamos mais de 400€/Mês.

Redução de 63% nas prestações. TAN 9,500% e TAEG 12,024%.

Testemunho
MANUEL HENRIQUES

Queria fazer outro crédito de 5.000€ mas com a casa devia 130.000€ e pagava 2.097€/Mês. Segui a sugestão e fiz um crédito consolidado. Reduzi as prestações para 745€/Mês e já com os 5.000€ na conta.

Redução de 64% nas prestações. TAN 2,455% e TAER: 3,231%.

Testemunho
JOÃO SILVA

Fiz um pedido de 4.500€. Foram apresentadas várias propostas. Optei pagar o meu crédito em 72 vezes por 78,72€/Mês. Com esta prestação baixa vou juntar dinheiro para pagar antes, sem custos adicionais.

TAEG: 5,5% TAN: 4,70% MTIC: 5.268,78€.

Contraste
Fontes legíveis
Este site usa cookies, poderá consultar toda a informação na nossa página de Política de Privacidade. Reconheço e aceito que ao continuar a utilizar este site, dou o meu consentimento à utilização dos cookies deste site. Para mais informações sobre os cookies que utilizamos, como os gerimos e/ou apagamos, por favor consulte a nossa Política de Privacidade.