<[HEADING] class="logo-text">O crédito direito ao assunto
MENU
Ver Mais

Crédito Pessoal Formação: Para um financiamento de 8.000€, com a TAEG de 6,2% e TAN de 4,10% o prazo de reembolso é de 36 meses ao que corresponde uma mensalidade fixa de 237,14€. MTIC: 8.748,24€ dos quais 8.000€ reembolsam o capital concedido e 748,24€ respeitam ao custo total do crédito. Crédito sujeito a aprovação de Instituições Bancárias e Financeiras a operar legalmente em Portugal (ver lista).

Crédito Consolidado: para um financiamento de 20.000€, com a TAEG de 13,1% e TAN de 11,10% o prazo de reembolso é de 84 meses ao que corresponde uma mensalidade fixa de 348,20€. Montante total imputado ao consumidor: 29,776,80€ dos quais 20.000,00€ reembolsam o capital concedido e 9.776,80€ respeitam ao custo total do crédito. Crédito sujeito a aprovação de Instituições Bancárias e Financeiras a operar legalmente em Portugal (ver lista).

Testemunho
CLAUDIA SANTANA

O total dos meus créditos rondavam os 24.000€ e estava a pagar 865€ por mês. Após juntar todos os meus créditos, sem fiadores, passei a ter uma só mensalidade de apenas 315€/Mês.

Redução de 64% nas prestações. TAN 9,500% e TAEG 11,712%.

Testemunho
SOFIA E NUNO CAMPOS

Devíamos 19.000€ e tínhamos de pagar 677€/Mês. Depois da consolidação de créditos, sem incluir o crédito da casa, ficámos com uma mensalidade de 249€. Poupamos mais de 400€/Mês.

Redução de 63% nas prestações. TAN 9,500% e TAEG 12,024%.

Testemunho
MANUEL HENRIQUES

Queria fazer outro crédito de 5.000€ mas com a casa devia 130.000€ e pagava 2.097€/Mês. Segui a sugestão e fiz um crédito consolidado. Reduzi as prestações para 745€/Mês e já com os 5.000€ na conta.

Redução de 64% nas prestações. TAN 2,455% e TAER: 3,231%.

Testemunho
JOÃO SILVA

Fiz um pedido de 4.500€. Foram apresentadas várias propostas. Optei pagar o meu crédito em 72 vezes por 78,72€/Mês. Com esta prestação baixa vou juntar dinheiro para pagar antes, sem custos adicionais.

TAEG: 5,5% TAN: 4,70% MTIC: 5.268,78€.

Como funcionam as taxas de juro dos depósitos a prazo 

Sabia que atualmente é possível construir uma (pequena) poupança ao colocar o seu dinheiro a render? É uma realidade disponível, mas é ainda preciso ter em conta que para isso acontecer serão associadas taxas de juro depósitos a prazo.   

Sabemos que estas questões por vezes podem ser um pouco confusas e por isso mesmo decidimos explicar-lhe tudo o que necessita saber sobre as contas de depósito a prazo. Assim poderá ainda hoje começar a sua poupança.   

Taxas de juro depósitos a prazo: O que são e qual a sua importância   

Em primeiro lugar, antes de qualquer outra explicação é extremamente importante que perceba o que são afinal os depósitos a prazo.   

Um depósito a prazo é assim um produto bancário que supõe a disponibilização de fundos monetários a uma instituição de crédito. Esta, fica assim obrigada a devolver, em termos futuros, esses mesmos fundos ao cliente num período pré contratualizado.   

Deve ainda saber que este período é previamente acordado e está sujeito a pagamentos das taxas de juro. Todos estes depósitos serão ainda controlados pelo Banco de Portugal.   

Se pretender ter acesso a estes depósitos deve ter em conta que terá de ter uma conta à ordem e deter ainda o montante mínimo exigido pela entidade em questão.   

Mas não se preocupe, pois atualmente é possível realizar este processo no conforto de sua casa através de uma simples ligação à internet.   

É importante frisar que estes estão assim sujeitos a uma taxa de juro fixa ou variável consoante o que definir com a instituição. 

Quais os tipos de renumeração existentes?   

A renumeração dos depósitos a prazo está, como referido, sujeita ao pagamento de algumas taxas. Desta forma deve ter presente, antes de mais, as duas modalidades pelas quais pode optar.   

1 - Capitalização de juros   

Nesta modalidade o cliente estará a acumular juros ao montante que depositou, onde no futuro poderá vir a obter rendimento dos mesmos.   

2 - Sem capitalização de juros   

Por outro lado, nesta opção o cliente estará sujeito à creditação dos juros na sua conta à ordem.   

Mobilização dos depósitos a prazo   

Para além do referido anteriormente deve ainda ter em conta que existem algumas regras relativamente à mobilização dos depósitos que abordamos no artigo de hoje.   

Estes estão assim sujeitos a uma data de início e fim, nas quais normalmente são definidas por dia, mês, semestre, trimestre ou anual.   

No caso de pretender, por alguma razão, mobilizá-los deve ter em conta as seguintes opções de conta disponíveis.   

1 - Mobilização antecipada  

Nesta situação o cliente pode efetuar qualquer tipo de levantamentos antecipados desde que anteriormente fixadas nas condições assinadas pelo mesmo em simultâneo com o banco em questão.   

2 - Sem mobilização antecipada   

No caso de não existir mobilização antecipada somente poderá deslocar o depósito a prazo na data de fim acordada por si e pela entidade na qual realizou tal depósito.   

Quais as condições necessárias para ter uma conta de depósito a prazo?   

Como seria de esperar existem alguns requisitos relativamente à iniciação de uma conta deste tipo. Assim, deve ter em atenção os seguintes pontos no momento de realização de um depósito a prazo.    

  • Valor do depósito  
  • Menção do depósito a prazo   
  • Prazo no qual foi constituído  
  • Data de termino   
  • Taxas de juro definidas   
  • Condições de mobilização do mesmo depósito   

Esperemos que este artigo lhe tenha sido útil e que possa agora compreender de forma mais clara todas as questões relacionadas com a conta de depósito à ordem e as suas taxas respetivas.   

Lembre-se ainda que em questões como esta é necessário agir com clareza e se necessário consultar um especialista.   

Caso tenha alguma dúvida associada, ou não, ao tema abordado não hesite em contactar-nos. Teremos todo o gosto em poder ajudá-lo diariamente.   

Perguntas Frequentes

Todas as respostas às suas dúvidas sobre o crédito Credistar.

Sejá nosso parceiro

Aumente as suas vendas. Torne-se um parceiro Credistar.

Contactos Credistar

Contacte a equipa Credistar para esclarecimento de qualquer questão.

Testemunho
CLAUDIA SANTANA

O total dos meus créditos rondavam os 24.000€ e estava a pagar 865€ por mês. Após juntar todos os meus créditos, sem fiadores, passei a ter uma só mensalidade de apenas 315€/Mês.

Redução de 64% nas prestações. TAN 9,500% e TAEG 11,712%.

Testemunho
SOFIA E NUNO CAMPOS

Devíamos 19.000€ e tínhamos de pagar 677€/Mês. Depois da consolidação de créditos, sem incluir o crédito da casa, ficámos com uma mensalidade de 249€. Poupamos mais de 400€/Mês.

Redução de 63% nas prestações. TAN 9,500% e TAEG 12,024%.

Testemunho
MANUEL HENRIQUES

Queria fazer outro crédito de 5.000€ mas com a casa devia 130.000€ e pagava 2.097€/Mês. Segui a sugestão e fiz um crédito consolidado. Reduzi as prestações para 745€/Mês e já com os 5.000€ na conta.

Redução de 64% nas prestações. TAN 2,455% e TAER: 3,231%.

Testemunho
JOÃO SILVA

Fiz um pedido de 4.500€. Foram apresentadas várias propostas. Optei pagar o meu crédito em 72 vezes por 78,72€/Mês. Com esta prestação baixa vou juntar dinheiro para pagar antes, sem custos adicionais.

TAEG: 5,5% TAN: 4,70% MTIC: 5.268,78€.

Contraste
Fontes legíveis
Este site usa cookies, poderá consultar toda a informação na nossa página de Política de Privacidade. Reconheço e aceito que ao continuar a utilizar este site, dou o meu consentimento à utilização dos cookies deste site. Para mais informações sobre os cookies que utilizamos, como os gerimos e/ou apagamos, por favor consulte a nossa Política de Privacidade.