<[HEADING] class="logo-text">O crédito direito ao assunto
MENU
Ver Mais

​Crédito Pessoal Formação com TAEG a partir de 5,5% para TAN de 3,90%, consoante o prazo escolhido, Taxa Fixa, Prazo entre 24 a 120 meses. Montante a financiar entre 2.500€ a 75.000€. Crédito sujeito a aprovação de Instituições Bancárias e Financeiras a operar legalmente em Portugal (ver lista). Prazo mínimo de 12 meses e máximo de 120 meses. TAEG a partir de 5,5% até ao máximo de 14.6%.

Crédito Consolidado sem garantia hipotecária com TAEG a partir de 11,70%, TAN a partir de 9,50%, Taxa Fixa, Prazo entre 12 a 120 meses. Montante a financiar entre 5.000€ a 75.000€. Crédito sujeito a aprovação de Instituições Bancárias e Financeiras legalmente a operar em Portugal. Prazo mínimo de reembolso de 24 Meses e Máximo de 120 meses. TAEG a partir de 2,445% até ao máximo de 14,2%.

Testemunho
CLAUDIA SANTANA

O total dos meus créditos rondavam os 24.000€ e estava a pagar 865€ por mês. Após juntar todos os meus créditos, sem fiadores, passei a ter uma só mensalidade de apenas 315€/Mês.

Redução de 64% nas prestações. TAN 9,500% e TAEG 11,712%.

Testemunho
SOFIA E NUNO CAMPOS

Devíamos 19.000€ e tínhamos de pagar 677€/Mês. Depois da consolidação de créditos, sem incluir o crédito da casa, ficámos com uma mensalidade de 249€. Poupamos mais de 400€/Mês.

Redução de 63% nas prestações. TAN 9,500% e TAEG 12,024%.

Testemunho
MANUEL HENRIQUES

Queria fazer outro crédito de 5.000€ mas com a casa devia 130.000€ e pagava 2.097€/Mês. Segui a sugestão e fiz um crédito consolidado. Reduzi as prestações para 745€/Mês e já com os 5.000€ na conta.

Redução de 64% nas prestações. TAN 2,455% e TAER: 3,231%.

Testemunho
JOÃO SILVA

Fiz um pedido de 4.500€. Foram apresentadas várias propostas. Optei pagar o meu crédito em 72 vezes por 78,72€/Mês. Com esta prestação baixa vou juntar dinheiro para pagar antes, sem custos adicionais.

TAEG: 5,5% TAN: 4,70% MTIC: 5.268,78€.

Como alcançar a estabilidade financeira

Todos nós queremos em alguma altura da vida alcançar a estabilidade financeira que nos irá permitir organizar não só a nossa vida, como também irá garantir que conseguimos dar seguimento aos nossos sonhos.

Contudo, nem sempre a realidade é tão simples como parece, e são muitas as pessoas que por desconhecimento por falta de informação, acabam por ter atitudes que a curto ou médio prazo acabam por colocar a sua estabilidade em risco.

Se quer realmente alcançar a estabilidade financeira necessária para dar seguimento aos seus sonhos, não se preocupe mais que hoje iremos deixar-lhe 5 dicas simples e práticas de implementar. Conheça-as de seguida.

5 dicas simples para alcançar a estabilidade financeira

Muitas vezes, conseguir comprar uma viagem de sonho ou arranjar o carro são despesas que acabam por ser realizadas com recurso a créditos.

Se ter um crédito não é algo assim tão mau, saiba que se começar a juntar vários créditos em simultâneo, poderá a curto prazo entrar numa espiral bola de neve e ver-se a par com uma taxa de esforço muito superior à que deveria ter.

Conheça de seguida as nossas dicas, e comece hoje a colocar a sua vida financeira em ordem, para alcançar a tão almejada estabilidade financeira.

1 – Comece por diminuir os créditos

A verdade é que nos dias que correm, muitas vezes existe a necessidade de recorrer a um crédito para conseguir comprar alguma coisa que é estritamente necessária, mas que não dispomos do montante total para a adquirir.

Contudo, é importante que tenha em mente que se procura alcançar a estabilidade financeira, ter um crédito, é na grande maioria das vezes prejudicial ao seu orçamento, já que isso implica além do valor fixo que lhe é descontado do vencimento, juros bastante altos (principalmente se falamos de crédito ao consumo).

Deste modo, o primeiro passo para alcançar a estabilidade financeira, passa essencialmente por começar a amortizar os créditos que já tem em vigor.

É importante que amortize em primeiro lugar o que tem os juros mais altos, ou aquele que está mais perto de estar liquidado.

O único bom crédito é aquele que é gratuito (ou seja, aquele que não paga juros associados à sua contratação) – e a maior parte não o é.

2 – Será que conhece as suas despesas?

Pois bem, pode parecer uma pergunta estranha, contudo, a verdade é que a grande maioria das pessoas não faz a mínima ideia de onde é que gasta o dinheiro, nem quanto é que gasta todos os mesmos em pequenas coisas.

Entre alimentação, passe mensal, gasolina, renda, água, luz, gás, TV… e todos os outros gastos que julgamos muitas vezes serem coisas mínimas e que ao final de um mês inteira podem ter um impacto enorme no seu orçamento.

Não saber onde gasta o dinheiro não é de todo algo positivo (a não ser que tenha um excelente ordenado e a sua vida financeira esteja muito organizada – o que nos parece pouco improvável).

Ao não saber quanto gasta, é complicado analisar e avaliar o seu perfil de consumo, logo não sabe no que é que gasta mais dinheiro, e no que é que pode efetivamente começar a poupar.

Assim sendo, é importante que depois de ler este artigo, comece diariamente a apontar os seus gastos (pode ser numa agenda, numa folha, no telefone ou mesmo no excel) para que no final do mês possa analisar as suas alternativas e perceber para onde é que o seu dinheiro está a ir.

3 – Se já sabe o que gasta, está na hora de poupar

Sabemos que pode ser complicado gerir a poupança familiar, contudo, lembre-se que este é e será sempre um trabalho de equipa.

Assim sendo, comece por analisar todos os seus gastos e veja quais é que são os mais superficiais e que podem ser cortados de forma a gerar um pouco mais de margem de manobra (por exemplo se percebeu que gasta mais de 150€ a almoçar fora todos os dias, pode ser uma boa alternativa começar a levar comida para o trabalho).

·        Comer menos vezes fora (em vez de comer todas as sextas, comer só duas por mês fora)

·        Comprar mais produtos de marca branca (a qualidade é tao boa ou melhor que os produtos de marca)

·        Evitar compras por impulso;

·        Ponderar bem as escolhas, essencialmente de produtos de valor significativo;

·        Fugir de compromissos de pagamentos mensais fixos (time-sharings, assinaturas de produtos, etc…);

·        Perceber como é que pode por exemplo poupar nas contas do supermercado;

·        Tentar diminuir o valor mensal das suas faturas (seja se tem alguma coisas que possam ajudar nessa poupança);

Poupar é o passo mais simples de perceber, contudo, provavelmente o mais complicado de conseguir pôr em marcha. Não só nos é difícil evitar gastar como temos dificuldade em descobrir de que forma podemos poupar. Um exercício esforçado, mas importante se quer alcançar a estabilidade financeira.

4 – Faça investimentos a médio ou longo prazo

Outra forma de alcançar a sua estabilidade financeira, passa essencialmente por investir o dinheiro que tem de parte (claro que não o pode investir na totalidade uma vez que convém ter sempre um fundo de reserva para emergências),

Contudo, se investir o mesmo (existem diversas opções tão ou mais seguras que os depósitos a prazo) poderá ter um excelente retorno, por exemplo: uma poupança mensal de €100 aplicados a uma taxa de 4%, rende mais de €36 000 ao fim de 20 anos.

Lembre-se que o futuro da Segurança Social é, no mínimo, incerto. Poderá ter de contar com que a sua reforma seja o resultado do investimento da sua poupança ao longo dos anos. E não há capacidade de investimento sem poupança.

5 – Já pensou em arranjar um orçamento extra?

Cada vez mais com o acesso à internet tão vulgarizado, é possível através de diversas ferramentas online conseguir obter um orçamento maior todos os meses.

Se tiver por exemplo disponibilidade, pode optar por trabalhar como freelancer, vender produtos através de uma loja online, monetizar um blog ou qualquer outra coisa que o faça sentir-se bem, mas especialmente que ajude a conseguir ter mais dinheiro ao final do mês.

De forma resumida, conseguir ter mais dinheiro, é uma forma de poupar mais, pagar mais rápido os créditos que tem em vigor, mas também de conseguir obter mais algum dinheiro para por jantar fora ou fazer algo que goste sem estar preocupado com as contas para pagar.

Como vê, alcançar a estabilidade financeira é algo que embora não seja muito simples de ser feito, também não é propriamente uma tarefa impossível.

Com esforço, dedicação e empenho, tudo é possível, disso pode ter a certeza absoluta.

Perguntas Frequentes

Todas as respostas às suas dúvidas sobre o crédito Credistar.

Sejá nosso parceiro

Aumente as suas vendas. Torne-se um parceiro Credistar.

Contactos Credistar

Contacte a equipa Credistar para esclarecimento de qualquer questão.

Testemunho
CLAUDIA SANTANA

O total dos meus créditos rondavam os 24.000€ e estava a pagar 865€ por mês. Após juntar todos os meus créditos, sem fiadores, passei a ter uma só mensalidade de apenas 315€/Mês.

Redução de 64% nas prestações. TAN 9,500% e TAEG 11,712%.

Testemunho
SOFIA E NUNO CAMPOS

Devíamos 19.000€ e tínhamos de pagar 677€/Mês. Depois da consolidação de créditos, sem incluir o crédito da casa, ficámos com uma mensalidade de 249€. Poupamos mais de 400€/Mês.

Redução de 63% nas prestações. TAN 9,500% e TAEG 12,024%.

Testemunho
MANUEL HENRIQUES

Queria fazer outro crédito de 5.000€ mas com a casa devia 130.000€ e pagava 2.097€/Mês. Segui a sugestão e fiz um crédito consolidado. Reduzi as prestações para 745€/Mês e já com os 5.000€ na conta.

Redução de 64% nas prestações. TAN 2,455% e TAER: 3,231%.

Testemunho
JOÃO SILVA

Fiz um pedido de 4.500€. Foram apresentadas várias propostas. Optei pagar o meu crédito em 72 vezes por 78,72€/Mês. Com esta prestação baixa vou juntar dinheiro para pagar antes, sem custos adicionais.

TAEG: 5,5% TAN: 4,70% MTIC: 5.268,78€.

Este site usa cookies, poderá consultar toda a informação na nossa página de Política de Privacidade. Reconheço e aceito que ao continuar a utilizar este site, dou o meu consentimento à utilização dos cookies deste site. Para mais informações sobre os cookies que utilizamos, como os gerimos e/ou apagamos, por favor consulte a nossa Política de Privacidade.