<[HEADING] class="logo-text">O crédito direito ao assunto
MENU
Ver Mais

​Crédito Pessoal Formação com TAEG a partir de 5,5% para TAN de 3,90%, consoante o prazo escolhido, Taxa Fixa, Prazo entre 24 a 120 meses. Montante a financiar entre 2.500€ a 75.000€. Crédito sujeito a aprovação de Instituições Bancárias e Financeiras a operar legalmente em Portugal (ver lista). Prazo mínimo de 12 meses e máximo de 120 meses. TAEG a partir de 5,5% até ao máximo de 14.6%.

Crédito Consolidado sem garantia hipotecária com TAEG a partir de 11,70%, TAN a partir de 9,50%, Taxa Fixa, Prazo entre 12 a 120 meses. Montante a financiar entre 5.000€ a 75.000€. Crédito sujeito a aprovação de Instituições Bancárias e Financeiras legalmente a operar em Portugal. Prazo mínimo de reembolso de 24 Meses e Máximo de 120 meses. TAEG a partir de 2,445% até ao máximo de 14,2%.

Testemunho
CLAUDIA SANTANA

O total dos meus créditos rondavam os 24.000€ e estava a pagar 865€ por mês. Após juntar todos os meus créditos, sem fiadores, passei a ter uma só mensalidade de apenas 315€/Mês.

Redução de 64% nas prestações. TAN 9,500% e TAEG 11,712%.

Testemunho
SOFIA E NUNO CAMPOS

Devíamos 19.000€ e tínhamos de pagar 677€/Mês. Depois da consolidação de créditos, sem incluir o crédito da casa, ficámos com uma mensalidade de 249€. Poupamos mais de 400€/Mês.

Redução de 63% nas prestações. TAN 9,500% e TAEG 12,024%.

Testemunho
MANUEL HENRIQUES

Queria fazer outro crédito de 5.000€ mas com a casa devia 130.000€ e pagava 2.097€/Mês. Segui a sugestão e fiz um crédito consolidado. Reduzi as prestações para 745€/Mês e já com os 5.000€ na conta.

Redução de 64% nas prestações. TAN 2,455% e TAER: 3,231%.

Testemunho
JOÃO SILVA

Fiz um pedido de 4.500€. Foram apresentadas várias propostas. Optei pagar o meu crédito em 72 vezes por 78,72€/Mês. Com esta prestação baixa vou juntar dinheiro para pagar antes, sem custos adicionais.

TAEG: 5,5% TAN: 4,70% MTIC: 5.268,78€.

Situações em que é mais vantajoso arrendar ou comprar

Comprar um imóvel próprio faz parte do sonho de muitas pessoas. Porém nem sempre a opção de comprar é mais vantajosa ou nem sempre as pessoas têm aquilo que é necessário para dar seguimento a esse sonho.

Dependendo da situação, o arrendamento de uma casa pode ser mais interessante. E agora? Arrendar ou comprar o imóvel?

Pode até parecer uma afirmação absurda, tendo em vista que as rendas das casas estão cada vez mais altas. Mas não se engane, é preciso avaliar bem o seu caso para ter certeza se vale mais a pena arrendar ou comprar.

Acompanhe o nosso guia e veja em que situações deve considerar o arrendamento ao invés da compra de um imóvel.

Arrendar ou comprar: Quando arrendar é a melhor opção

Comprar um imóvel é uma decisão que deve ser muito bem ponderada, pois envolve uma serie de burocracias e exigências. Além é claro, do compromisso associado ao pagamento mensal do crédito bancário por um longo período.

Se ainda está em dúvida sobre arrendar ou comprar, conheça 5 situações em que o arrendamento acaba por ser mais vantajoso, e verifique se seu caso se enquadra em alguma delas. 

1 - Situação profissional 

Analisar a sua situação profissional é o ponto de partida para decidir de vale a pena arrendar ou comprar. Isso porque, se pretende comprar um imóvel com recurso ao crédito habitação, deve ter em mente que a dívida se estende por muitos anos.

Caso a sua situação profissional seja instável, deve ponderar e considerar o arrendamento, para evitar a possibilidade de perder um imóvel por falta de pagamento. 

Além disso, é preciso ter em mente que um dos pontos que os bancos analisam é efetivamente a sua situação profissional.

2 - Situação financeira

Se vive com o orçamento apertado, é talvez bastante difícil deixar uma margem para pagar a prestação de um financiamento à habitação. Neste caso é bastante indicado não optar pela compra de um imóvel.

Dívidas e prestações regulares e que comprometem significativamente o orçamento são um empecilho à aquisição de uma casa.

Nesses casos, o arrendamento se mostra mais vantajoso, visto que o aluguer é pago mês a mês sem a necessidade de assumir uma dívida extensa.

Além disso, para dar entrada numa casa é preciso juntar pelo menos 10% do valor da mesma. Por isso, é essencial começar a ponderar com alguma antecedência.

3 - Crédito negativo

Uma das primeiras informações levantadas pelo banco para que possa obter um financiamento para comprar casa (ou qualquer tipo de financiamento) é o histórico de crédito do cliente. Para aqueles que possuem que têm crédito negativo (ou seja, o nome no Banco de Portugal), dificilmente será possível contratar o financiamento.

Portanto, se está com valores em aberto, será mais fácil optar pelo arrendamento pelo menos até regularizar seu crédito e tentar um financiamento para comprar a sua casa de sonho.

4 - Possibilidade de arcar com custos de manutenção de um imóvel 

Mesmo que tenha condições para comprar um imóvel, deve ponderar se será capaz de arcar com a sua manutenção ao longo do tempo. Ou até mesmo uma remodelação que possa ser necessária antes mesmo de se mudar.

Se não tem um valor extra para ser investido em manutenção, então o arrendamento é uma forma muito mais vantajosa, já que o responsável nesse caso é o senhorio da casa. 

5 - Prestação financiamento x prestação aluguer

Um raciocínio muito comum é achar que a prestação do financiamento de um imóvel é menor do que a prestação do aluguer. Pois nem sempre esse raciocínio está correto. 

Isso porque além da prestação em si, no caso do financiamento bancário terá de arcar com outros custos como seguros e impostos, que podem elevar o valor para além do que pagaria de renda.

Assim, é preciso considerar todos os gastos envolvidos se for comprar ou arrendar, para poder decidir qual deles está mais de acordo com a sua realidade financeira. 

Além disso, pode sempre candidatar-se ao apoio do estado com o programa Porta 65 que ajuda ao arrendamento jovem.

É claro que todos têm o desejo de comprar um imóvel, porém o que não pode fazer é deixar com que este desejo o impeça de ponderar sobre a sua própria possibilidade naquele momento. 

Portanto, avalie cuidadosamente sua situação económica, e faça uma projeção futura da sua carreira e profissão. Dessa forma você será capaz de tomar uma decisão mais acertada e segura se deve arrendar ou comprar. 

Perguntas Frequentes

Todas as respostas às suas dúvidas sobre o crédito Credistar.

Sejá nosso parceiro

Aumente as suas vendas. Torne-se um parceiro Credistar.

Contactos Credistar

Contacte a equipa Credistar para esclarecimento de qualquer questão.

Testemunho
CLAUDIA SANTANA

O total dos meus créditos rondavam os 24.000€ e estava a pagar 865€ por mês. Após juntar todos os meus créditos, sem fiadores, passei a ter uma só mensalidade de apenas 315€/Mês.

Redução de 64% nas prestações. TAN 9,500% e TAEG 11,712%.

Testemunho
SOFIA E NUNO CAMPOS

Devíamos 19.000€ e tínhamos de pagar 677€/Mês. Depois da consolidação de créditos, sem incluir o crédito da casa, ficámos com uma mensalidade de 249€. Poupamos mais de 400€/Mês.

Redução de 63% nas prestações. TAN 9,500% e TAEG 12,024%.

Testemunho
MANUEL HENRIQUES

Queria fazer outro crédito de 5.000€ mas com a casa devia 130.000€ e pagava 2.097€/Mês. Segui a sugestão e fiz um crédito consolidado. Reduzi as prestações para 745€/Mês e já com os 5.000€ na conta.

Redução de 64% nas prestações. TAN 2,455% e TAER: 3,231%.

Testemunho
JOÃO SILVA

Fiz um pedido de 4.500€. Foram apresentadas várias propostas. Optei pagar o meu crédito em 72 vezes por 78,72€/Mês. Com esta prestação baixa vou juntar dinheiro para pagar antes, sem custos adicionais.

TAEG: 5,5% TAN: 4,70% MTIC: 5.268,78€.

Contraste
Fontes legíveis
Este site usa cookies, poderá consultar toda a informação na nossa página de Política de Privacidade. Reconheço e aceito que ao continuar a utilizar este site, dou o meu consentimento à utilização dos cookies deste site. Para mais informações sobre os cookies que utilizamos, como os gerimos e/ou apagamos, por favor consulte a nossa Política de Privacidade.